Prohibicionismo en el siglo XX

Sep 7, 2015 | Política | 0 comments

Henrique Carneiro en su texto: “As necessidades humanas e o proibicionismo das drogas no século XX”, nos muestra como se ha ido gestando una política de drogas y cultura prohibicionista a los largo del siglo XX, siendo éste coyuntural en el tema, ya que dio inicio a la prohibición general de varias drogas. Tomando en cuanta drogas legales como el café, té, alcohol, tabaco etc… Hasta las que en la actualidad han terminado por ser sustancias ilegales.

O objetivo deste artigo é discutir o nexo indispensável que existe entre o regime do proibicionismo e a hipertrofia dos lucros e da violência, assim como a hipocrisia dos argumentos que querem julgar as necessidades humanas para poder administrá-las através das proibições e da repressão.

A primeira questão a se definir é a de que as drogas são necessidades humanas. Seu uso milenar em quase todas as culturas humanas corresponde a necessidades médicas, religiosas e gregárias. Não apenas o álcool, como quase todas as drogas são parte indispensável dos ritos da sociabilidade, da cura, da devoção, do consolo e do prazer. Por isso as drogas foram divinizadas em inúmeras sociedades. (Carneiro)

Henrique Carneiro é historiador, bacharel, mestre e doutor em História Social pela Universidade de São Paulo (USP). Realizou estágios acadêmicos na França e na Rússia. Foi durante cinco anos (1998-2003) professor na Universidade Ouro Preto (UFOP). Atualmente é professor na cadeira de História Moderna no Departamento de História da USP e pesquisador do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre Psicoativos (NEIP). Publicou seis livros e diversos artigos para jornais e revistas acadêmicas. Sua linha de pesquisa atual aborda a história da alimentação, das drogas e das bebidas alcoólicas.

Henrique Carneiro estará con nosotros el día lunes 5 de octubre a las 10:30 hrs, dictando la conferencia magistral “A gênese dos abstencionismos e proibições contemporâneas na historiografia norte-americana e alguns reflexos no Brasil”

Descarga el texto completo aquí.